Resquícios

crônicas do cotidiano & resenhas mirabolantes

Olá você do lado dai!

Sou a Luciana, mas pode chamar de Lu, artista de hand lettering, blogueira, ilustradora, designer e artesã, viciada em pinterest, café, chá de maça, Harry Potter e BTS. Tem uns textos meus por ai desde 2010.

Leia Também

na vida eu sou o Severus Snape


Esquece toda a imagem do personagem passada pela autora ou até mesmo a visão de outras pessoas sobre ele e foca no Severus em si, ele sempre foi alguém mais reservado, na dele, do tipo que não conversa muito, o que resultou na sessão eterna de bullying que ele sofreu por parte dos marotos.

Então, na vida sou o Severus Snape.

Não que eu sofresse bullying na escola, até porque na minha época não existia nenhum termo específico, no fim ouvíamos algumas piadas revidávamos e a vida seguia. Eu me refiro a personalidade mesmo, sempre fui do tipo mais reservada, na minha e de uns tempos para cá tem ficado pior.

Não sei se me preocupo ou se sigo o fluxo.

Me sinto cada vez menos comunicativa socialmente, isso no pessoal, trabalho nem conta já que teoricamente somos obrigados a falar, ainda assim não é como se eu fosse muito sociável com meus colegas de empresa. Mas não sinto mais aquela vontade de falar, gosto de observar as pessoas e me derramar no papel junto a tinta da caneta, acredito me expressar melhor assim e parece mais fácil me entender, no fim não me parece uma má ideia mas, ao mesmo tempo soa como se eu estivesse deixando de viver.

Acontece que levei o eu não sou todo mundo a outro nível, anda afastada da massa de diversas formas o que me deixa sem assunto na maioria das vezes, parece que estou sendo sugada por um furacão de informações que em sua maioria não me agrada em nada.

E assim sigo a vida.

Ou tento. Não é fácil ser o Snape nos dias atuais, as vezes sendo classificada como chata ou antissocial dentre tantas outras formas carinhosas de se referir a alguém como eu, sentiu o deboche?


Por que essa sede por comunicação?

Sei que sem ela o mundo não vai para frente, mas por que somos sempre obrigados a ser como os outros acham que devemos ser? Não posso ser só uma observadora?

Juro que respondo todo mundo na minha mente, altos diálogos aqui dentro, mas o papo real não flui. Tem dias que isso me preocupa, em outros agradeço, e mesmo assim ainda sinto meu espaço pessoal sendo invadindo todos os dias.

Na vida sou o Severus Snape?

Ou apenas tenho dificuldade de me comunicar? Será que isso é um problema ou será que tudo bem seguir assim? Até porque estamos conversando nesse momento, não é mesmo?

Você é quem na vida?





gostou do post? então compartilha com os amigos ↷

Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *